Tens um minuto? Queria sair e resolver coisas "importantes"... A sensação era de que estava ali há horas e não havia passado sequer 1 minuto. 1 minuto focada em mim naquele dia foi "demais". Toda minha atenção estava voltada para o externo... 1 minuto era o tempo que eu não tinha para mim, para "ouvir" meu corpo... E você, tem um minutinho aí?? Claudia Godoy

“Ponha a saia mais leve, aquela de chita,

e passeie de mãos dadas com o ar.

Enfeite-se com margaridas e ternuras

e escove a alma com leves fricções de esperança.

De alma escovada e coração estouvado,

saia do quintal de si mesma e descubra o próprio jardim."

Carlos Drumond de Andrade

Recriando em sua lingua :)

Corajosos Viajantes - BEM VINDOS! Que sua estada por essas planicies, lhes desperte o desejo de voltar em breve... Obrigado por sua visita!!! (◕ ‿ ◕)

Translate to Bulgarian Translate to Simplified Chinese Translate to Traditional Chinese Translate to Croatian Translate to Czech Translate to Danish TTranslate to Dutch Translate to English Translate to Finnish Translate to French Translate to German Translate to Greek Translate to Hindi Translate to Italian Translate to Japanese Translate to Korean Translate to Norwegian Translate to Polish Translate to Portuguese Translate to Romanian Translate to Russian Translate to Spanish Translate to Swedish

"Algo em mim que eu nem suspeito amadurece mais um pouco." Marcelo Montenegro

28 de janeiro de 2010

A Dança dos mascarados...

A máscara está presente em diferentes culturas e acredita-se ser uma evolução das primeiras pinturas e tatuagens que os índios usavam em suas caçadas. Posteriormente, eles utilizaram a cabeça do animal como camuflagem, permitindo-lhes uma maior aproximação da caça e assim poderiam abatê-la com sucesso. Em seguida, passaram a fazer parte de cerimônias religiosas como símbolos mágicos. Para a maioria dos povos as máscaras simbolizavam seres da natureza, deidades, o reino dos mortos e animal ancestral.
A Dança dos Mascarados era costume muito antigo entre os índios da América do Norte, mas elas também foram encontradas entre tribos que habitam as margens do rio Xingu. A semelhança da descrição das danças de máscaras dos índios da América do Norte é tanta que, pode-se aplicar às danças dos índios brasileiros Carajás do rio Araguaia. As máscaras por eles criadas todas representam animais, mas não são imitações plásticas do animal, como os índios da América do Norte e as Tucunas (praticamente extintos) na região do Acre, sendo por exemplo, a ave que se representa é apenas indicada por uma propriedade, um ornamento ou uma pluma.
As danças eram acompanhadas de cantigas, cujo conteúdo era o louvor das proezas da guerra e de caça tanto dos indivíduos como da tribo e os mascarados imitavam as vozes dos animais que representavam. Estas máscaras não tem nada a ver com culto e estas festas não parecem ter outra origem, senão de aproveitar a ocasião para celebrar uma boa colheita ou caça. Entre os Carajás, existiram dois tipos de máscaras. Todas elas eram confeccionadas com palha de palmeira, umas são vestidos inteiros com uma espécie de capuz. Este é um cone que se eleva acima da máscara que representa o falcão carcará. A outra, seria um chapéu cilíndrico coberto por um mosaico e lindas penas que indicam a ave representada. Cada aldeia tinha máscaras próprias.
No tempo que antecedia estes festivais, se iniciavam os preparativos: as mulheres cuidavam da comida e bebida e os homens ocupavam-se na caça ou fazendo o vestido das danças. Os cânticos entoados eram muito antigos e a cada animal era reservado um tom. Mulheres e crianças podiam assistir às danças, mas não poderiam entrar na casa das máscaras, ou vê-las separadas do mascarado, para inculcar-lhes a crença que os espíritos das aves estariam presentes na máscara. Este era o motivo do porque deveria ficar oculto e desconhecido o mascarado.
Sobre o significado destas danças e sobre os animais escolhidos, não existe explicação certa. Talvez pelo amor que o indígena sentia por todos os animais, os reverenciassem desta forma. O sentimento de visível parentesco com o reino animal, que se manifesta nos mitos e lendas também é um traço característico da alma do índio. Eles são hábeis em domesticar animais selvagens. Conta-se que existia aldeias, que mais pareciam um jardim zoológico onde a fauna predominava. As aves maiores, mais vistosas e de colorido mais belo, lá figuram e contribuem fornecendo plumas ornamentais. As araras tal qual guardas estão sempre alertas e passeiam pelos telhados, anunciando com seus gritos o estrangeiro.
Teve-se notícia que outras tribos que habitavam as margens do rio Pururús, afluente do Solimões houve cerimônias com danças de animais e aves, porém não eram usadas máscaras. Entre os Bakairí foram vistas máscaras de aves com toscos de rostos humanos, feitas em madeira entalhada e também de pano. Estes têm parte de rostos colados de cera, com fronte e nariz saliente.
Havia também máscara que eram imitações de animais ou aves representadas. Quando se vestiam de "gala", traziam os Baikaikí sobre a cabeça figura de aves feitas de madeira e de palha de milho.
Como os índios, que receberam com festas o descobrimento da América, representaram aves descreve-nos o autor do magnífico poema "Colombo", no canto 291:
"Eis matizados grupos
De ligeiros donzéis, vestidos de aves!
Frontes ornadas de compridos bicos.
Braços cobertos de brilhantes penas.
No remigio imitando as várias aves
Dando saltos e pulos desmedidos."

O nosso índio, passou da máscara à mordaça e hoje encontra-se preso aos grilhões da miséria.
Uma tribo, os hopi do Arizona, celebravam um ritual com máscaras, onde elas representavam seus ancestrais e seus deuses. Deste modo, parentes falecidos vinham até eles, só que em forma de espíritos chamados de "Kachinas" e as máscaras também possuíam este nome.
Outros povos primitivos já usavam máscaras para assustar o inimigo. E, muitos outros, acreditavam que a máscara encarnava um espírito e era tratada como tal.
Existiram também máscara fúnebres ou de morte, importantíssimas e muito usadas entre os egípcios. Muitos povos, ainda hoje, usam-nas em cerimônias associadas à morte. Na Nova Irlanda, dançarinos se utilizam de máscaras para invocar pessoas mortas e acreditam que durante a cerimônia seus espíritos se fazem presentes.
Na África, a instituição das máscaras era utilizada nos rituais agrários, iniciáticos e funerários.

Tribos indígenas dos Andes têm o costume de cobrir seus mortos com uma máscara, para que eles estejam protegidos dos olhares de espíritos maléficos.
Há muitas histórias também, sobre a beleza oculta por máscara. O Fantasma da Ópera e a Bela e a Fera, são exemplos bem conhecidos. Em ambos os casos, o herói sofre de uma deformação externa. Por isso, o Fantasma se oculta nos túneis subterrâneos de Paris e a Fera encontra-se reclusa em seu castelo de proibições. A beleza da alma destes personagens somente será visível através de um verdadeiro amor.
Texto pesquisado e desenvolvido por ROSANE VOLPATTO

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ouse caminhar por entre templos de infinitas portas; Olhe, Desvende, Descubra, Encontre, Surpreenda-se e seja Feliz!

You understand what Im saying?
We come to love not by finding a perfect person, but learning to love an imperfect person perfectly.

Sua presença, aqui, trouxe mais Luz.

OBRIGADA!
Thanks!
Gracias!
Merci!
Grazie!

Volte Sempre!
Madre DelAlma

Sabedoria

Quando a Terra e as leis da Natureza Cósmica e Terrena foram criadas, os anciões da sabedoria fizeram uma roda e as narraram diante de uma fogueira, de modo que todo o fogo gravou na memória todas as leis e o calor da sabedoria dos anciões. Por isso, quando uma fogueira se ascender e um círculo de pessoas se unir em torno do fogo, as leis serão aprendidas novamente no coração humano". Kaká Werá Jecupé, em A Terra dos Mil Povos

Criando palavras

A Máscara (6) Alzheimer (1) amigos (2) arte (1) Artificial (3) Atitude (6) Caminhar (3) canção (2) Celebração (7) Cérebro (5) Círculo (1) cultura (14) cura (4) Dança (14) Dança Circular (13) Descobertas (14) Deus (1) doenças (4) dor (1) educação (5) elogio (3) Emoções (17) Ervas (1) escola (1) exemplo (10) Felicidade (11) grupos (8) História (8) homem (11) idoso (3) Livro (1) Mãe (1) Medos (4) mulher (7) Mulheres (7) música (3) Natal (1) Parkinson (1) Páscoa (1) Por que EU danço? (4) Qualidade de vida (14) Receita (1) Rir (1) Sabedoria (1) saude (6) Tambor (1) Terapias Alternativas (3) Trabalho (1) vida (3) vídeo (2)

Vamos cuidar juntos?

Somos parte da Terra e ela é parte de nós...Portanto, cabe a nós fazer nossa tarefa de bem cuidar. Separando corretamente o lixo traremos benefícios a curto, médio e longo prazo. Panse nisso!!!

Folclore

Essa dança é do sudoeste da China, do conselho de Yunnan e Sichuan. Trata-se de uma nacionalidade minoritária, Li Su. Buliyate dança folclórica. Pés alternando passo Yuko, minério bruto e de dança criativa ainda, executar brilhante e vistoso, pular para o lado inferior do corpo passo ou outro componente de várias ações. Movimentos do corpo superior estão em pé, e as pessoas por trás do punho, as pessoas de mãos dadas, dançando ao redor do círculo. Adagio lírica dança suave, agilidade dança alegre, saltando e forte. Simples e sincero, com as cores antigas, sensação de calor forte. 'Circle' significa 'vida' em Li Su. Você pode até quebrar o círculo, mas você ainda continuará sendo parte desse círculo.

NÃO FIQUE CALADA - DENUNCIE - 180

A Central de Atendimento à Mulher - Ligue 180 é um serviço que foi implantado em 2005 pela SPM (Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres). Trata-se de uma central de atendimento telefônico que funciona ininterruptamente, inclusive finais de semana e feriados. A ligação é gratuita e pode ser feita a partir de qualquer local do país.

Cuidado com o que seu filho anda vendo...

Cuidado com o que seu filho anda vendo...
Quanto menos horas em frente a televisão - além de dar o exemplo - é mais tempo que poderá passar com o seu filho a praticar esportes, ler, ouvir música, conversar ou simplesmente brincar…Pense nisso!

Dançar

"Não se trata de esperar que a tempestade passe. Trata-se de aprender a dançar à chuva." Anonimo

Quem ama. Cuida!

"Não me interessa nenhuma religião cujos princípios não melhoram nem tomam em consideração as condições dos animais." (Abraham Lincoln)

MÃE TERRA – DEUSA MÃE

“Envenenar a Terra, é o mesmo que envenenar a Placenta, que está alimentando teu filho”.
Terra, Divina Mãe, que gera todos os seres e cria todas as coisas, cuja influência desperta, acalenta e adormece a natureza. Mãe que fornece a nutrição da vida e a protege com um abraço sustentador. Mãe amorosa que recebe o corpo do homem quando o seu espírito se afasta, chamada com razão a Grande Mãe, fonte de poder de deuses e mortais, indispensável para tudo o que nasce ou morre. Senhora, Mãe , Deusa eu A reverencio e invoco Seu sagrado nome para abençoar a minha vida, lhe agradeço pelas dádivas e por me receber no fim da minha jornada! Prece inglesa do século XII

PEDOFILIA: NÃO!

Pelo telefone disque 100 - DENUNCIE! "Pais e filhos, inconscientes dos perigos da rede são presas fáceis de pedófilos. Uma criança ingenuamente não identifica um adulto se passando por um amiguinho da mesma idade. Uma dica é: Retirar o computador do quarto da criança, colocar em local onde possa estar vigiando sempre. Olhe sempre o histórico de navegação antes de fechar o computador para saber os passos que seu filho deu dentro da web. Computador no quarto também é veículo para o tráfico da pornografia infantil." PENSE NISSO!!!

ESTRELAS DESAPARECIDAS

"AS ESTRELAS SÃO SUAS, SE VOCÊ TIVER A MENTE, AS MÃOS E O CORAÇÃO PARA ELAS" Ray Bradbury "Em certas ocasiões nossa própria luz quase se apaga e é reacendida pela faísca de alguma outra pessoa. Cada um de nós tem motivo para pensar com muita gratidão nos que acenderam a chama dentro de nós". Albert Schweitzer

Nossa Madre

QUE HAJA PAZ NA TERRA! QUE A PAZ COMECE EM MIM! "Para deixar um planeta melhor para nossos filhos, basta deixar filhos melhores para nosso planeta".

Eu Respeito o AMOR. E você?

"Quando eu estava no exército, me deram uma medalha por matar dois homens e me dispensaram por amar um" Leonard P. Matlovich

Voando

"Sem espaço entre eles, os dedos como minhas tranças de quinze anos. Eu, avó de minha mãe, voei ficando." Carpinejar

EU DANÇO...Porque...

Voar sempre cansa, por isso, caminho em passos de dança. É assim que meus sentidos se encontram em comunhão com o universo onde a natureza é meu lar, meu refúgio, pertenço a ela... Faço parte dela!
"Os antigos sábios consideravam que movimento é sinônimo de vida. Não se pode escrever sobre dança. É preciso dançar."Paulo Coelho
(◡ ‿ ◡) -Tecendo sonhos resgatamos memórias, nos movimentos entrelaçados reconstruimos vidas recontando histórias. Livres em nossa imaginação e livres no contar/viver nossas histórias, vamos trançando na memória, a nossa eternidade. O que propomos com nosso trabalho é um exercício de imortalidade. De alguma forma, continuamos a viver naqueles, cujos corpos reaprenderam a ver e sentir o mundo, através dos movimentos das Danças Circulares e da auto-descoberta.

Como a água contorno obstáculos, transbordo, me desdobro ou evaporo. Posso levar o tempo que precisar, mas sei exatamente, onde quero chegar. Sou Mulher que dança, tece e trança, e não tem medo de recomeçar. Se escrever errado, por favor, não me corrija. É minha alma falando...Ela é parte de minha inspiração. Ela também respira, (Clarice me ensinou). Diferente dela, para mim, escrever é um ato de amor... "Sou meus Pais, Sou meus Amigos, Sou as Experiências que vivi e Sou um pouco de Mim Mesmo" (provérbio Budista)

E assim Renascer

Trilhar as estradas que eu não trilhei Romper as portas trancadas por mim E assim minhas mãos saberão dos meus pés… E assim, renascer, E assim renascer. (Altay Veloso)