Tens um minuto? Queria sair e resolver coisas "importantes"... A sensação era de que estava ali há horas e não havia passado sequer 1 minuto. 1 minuto focada em mim naquele dia foi "demais". Toda minha atenção estava voltada para o externo... 1 minuto era o tempo que eu não tinha para mim, para "ouvir" meu corpo... E você, tem um minutinho aí?? Claudia Godoy

“Ponha a saia mais leve, aquela de chita,

e passeie de mãos dadas com o ar.

Enfeite-se com margaridas e ternuras

e escove a alma com leves fricções de esperança.

De alma escovada e coração estouvado,

saia do quintal de si mesma e descubra o próprio jardim."

Carlos Drumond de Andrade

Recriando em sua lingua :)

Corajosos Viajantes - BEM VINDOS! Que sua estada por essas planicies, lhes desperte o desejo de voltar em breve... Obrigado por sua visita!!! (◕ ‿ ◕)

Translate to Bulgarian Translate to Simplified Chinese Translate to Traditional Chinese Translate to Croatian Translate to Czech Translate to Danish TTranslate to Dutch Translate to English Translate to Finnish Translate to French Translate to German Translate to Greek Translate to Hindi Translate to Italian Translate to Japanese Translate to Korean Translate to Norwegian Translate to Polish Translate to Portuguese Translate to Romanian Translate to Russian Translate to Spanish Translate to Swedish

"Algo em mim que eu nem suspeito amadurece mais um pouco." Marcelo Montenegro

21 de janeiro de 2011

DANÇA: Breve Movimento Histórico

Imagem: Google
 
 Na antiguidade homens e mulheres instintivamente descobriram o ritmo do universo: o sistema solar onde planetas e estrelas se moviam, as estações do ano, o dia e a noite, a lua e o sol. Os vegetais e os animais nasciam, cresciam e morriam. As marés subiam e desciam. O coração batia, o sono seguia-se à vigília. Tudo tendo uma duração, acontecendo em intervalos regulares, o tempo fluindo. Nossos ancestrais primitivos vivenciaram e testemunharam essa ordenação natural, descobrindo um ritmo interno e um ritmo externo, se movimentaram em concordância com ele, sendo esse o momento mais longínquo da dança. Curt Sachs, (1881-1959), historiador da arte e da música, no seu livro A World History of Dance diz: “A dança dos animais, especialmente a dos macacos antropóides, prova que a dança dos homens é, em seu início, uma agradável reação motora, um jogo que força a energia excessiva em um padrão rítmico”. (SACHS 1937, p. 175)
O período Paleolítico Superior é também caracterizado pela magia simpática, praticada pelo homem daquele período, e pela arte rupestre (pinturas em rochas). Tudo nos leva a crer que os humanos viviam num nível econômico improdutivo, coletavam ou capturavam seu alimento, num individualismo primitivo, numa organização social instável, se agrupando em pequenas hordas, não acreditando em deuses, vivendo uma vida prática que girava em torno da sua sobrevivência.
Nessa época de vida puramente prática, tudo gravitava, como é obvio, em torno da mera subsistência, e nada justifica, portanto, supormos que a arte servia a qualquer outro propósito que não fosse o de constituir um meio para a obtenção de alimentos. Todas as indicações apontam, mais exatamente, para o fato de que se tratava do instrumento de uma técnica mágica, e como tal, tinha uma função inteiramente pragmática que visava alcançar objetivos econômicos diretos. Essa magia nada tinha de comum com aquilo que entendemos por religião, (...) era ao mesmo tempo a representação e a coisa representada, o desejo e a realização do desejo (HAUSER, 1995, p. 04).
Dançar, nesse tempo, era o estabelecimento de uma relação com a natureza, fazer parte do movimento universal, e talvez subjugá-lo. Isso se apresenta nos desenhos nas cavernas de Gabillou, na Dordonha (12.000 a.C.), de Trois frerès, em Ariège (10.000 a.c.), da gruta de Palermo, 8.000 a.C., de Lascaux, Altamira e Combarelles.
A dança no período Paleolítico não existia como forma decorativa ou expressiva. Ela continha um fim prático, utilitário, que estava ligada à magia, e as figuras humanas disfarçadas de animais, interpretavam danças mímico-mágicas. Costa (1998), citando Boucier, afirma que “datam de 14.000 anos os primeiros documentos a apresentar um ser humano envolvido em ações consideradas de dança” (p.20). No período Neolítico, não se procurava mais concretizar artisticamente a experiência cotidiana, mas fixar-se na idéia, no conceito, criar símbolos. Acontece nesse ponto uma mudança radical na cultura, representando um corte na história da humanidade, cujo ambiente material e estrutura espiritual vêem-se frente à uma transformação tão grande, que o vivido anteriormente fica parecendo instintivo, animalesco: nesse ponto o ser humano deixa de caçar e coletar e passa a produzir seu alimento.
Domesticando animais e plantas, tem seu primeiro triunfo sobre a natureza, tornando-se mais independente e se organizando socialmente de forma diferente da anterior. Mudam-se o conteúdo e o ritmo da vida dos povos desse tempo. Aí, “os ritos religiosos e os atos de culto assumem agora o lugar da magia e da feitiçaria” (HAUSER, 1995, p. 11).
No Paleolítico, havia a ausência de culto. Dominados pelo medo, (da fome, da morte, dos inimigos), os humanos se valiam da magia, mas não relacionavam a sorte boa ou má a qualquer poder superior. No Neolítico, ao cultivar plantas e criar animais é que sentiram que dependiam de poderes que podiam determinar o rumo de suas vidas.
Dessa dependência surge a idéia de poderes superiores, concebidos como desconhecidos e misteriosos, forças sobrenaturais e sobre-humanas. O mundo se divide, e o ser humano também.
Conforme Hauser (1995), o animismo - todos os fenômenos intelectuais e físicos que deixam supor uma atividade extracorpórea ou a distância do organismo humano, e mais especialmente todos os fenômenos mediúnicos que podem ser explicados por uma ação que o homem vivo exerce além dos limites do corpo -  toma forma, surgem os cultos, a idéia da alma que sobrevive ao corpo, o sagrado e o profano. A partir daí a dança já expressa emoções e idéias, se tornando parte principalmente, nos cultos religiosos. A partir daí, a dança já expressa emoções e idéias, tomando parte, principalmente, nos cultos religiosos tendo os sacerdotes e magos, como elaboradores de uma dança mais complexa que a do período anterior.

Stela Márcia Petrazzini Colombo
Psicóloga


Fonte:
COSTA, A. L. B. Danças circulares sagradas. Org. Renata de C. L. Barros.
COSTA, Mauro José Sá Rêgo Costa. O corpo sem órgãos e o sentido como acontecimento. IN:Silva, Ignácio Assis. Corpo e sentido – A escuta do sensível. São Paulo: UNESP, 1996.São Paulo: Trion, 1998.
HAUSER, Arnold. História social da arte e da literatura. São Paulo. Martins
fontes, 1995.
SACHS Kurt. World History of Dance, Paris, 1938.
___________. História Universal da Dança. Enciclopédia Barsa. São Paulo: p. 63, 1967.

Um comentário:

  1. O universo.. a Vida dança!

    Que maravilha de postagem!

    Já falei que amo o texto do seu perfil?
    Nossa senti cheiro de incenso de morango agora!
    Beijos de Luz!

    ResponderExcluir

Ouse caminhar por entre templos de infinitas portas; Olhe, Desvende, Descubra, Encontre, Surpreenda-se e seja Feliz!

You understand what Im saying?
We come to love not by finding a perfect person, but learning to love an imperfect person perfectly.

Sua presença, aqui, trouxe mais Luz.

OBRIGADA!
Thanks!
Gracias!
Merci!
Grazie!

Volte Sempre!
Madre DelAlma

Sabedoria

Quando a Terra e as leis da Natureza Cósmica e Terrena foram criadas, os anciões da sabedoria fizeram uma roda e as narraram diante de uma fogueira, de modo que todo o fogo gravou na memória todas as leis e o calor da sabedoria dos anciões. Por isso, quando uma fogueira se ascender e um círculo de pessoas se unir em torno do fogo, as leis serão aprendidas novamente no coração humano". Kaká Werá Jecupé, em A Terra dos Mil Povos

Criando palavras

A Máscara (6) Alzheimer (1) amigos (2) arte (1) Artificial (3) Atitude (6) Caminhar (3) canção (2) Celebração (7) Cérebro (5) Círculo (1) cultura (14) cura (4) Dança (14) Dança Circular (13) Descobertas (14) Deus (1) doenças (4) dor (1) educação (5) elogio (3) Emoções (17) Ervas (1) escola (1) exemplo (10) Felicidade (11) grupos (8) História (8) homem (11) idoso (3) Livro (1) Mãe (1) Medos (4) mulher (7) Mulheres (7) música (3) Natal (1) Parkinson (1) Páscoa (1) Por que EU danço? (4) Qualidade de vida (14) Receita (1) Rir (1) Sabedoria (1) saude (6) Tambor (1) Terapias Alternativas (3) Trabalho (1) vida (3) vídeo (2)

Vamos cuidar juntos?

Somos parte da Terra e ela é parte de nós...Portanto, cabe a nós fazer nossa tarefa de bem cuidar. Separando corretamente o lixo traremos benefícios a curto, médio e longo prazo. Panse nisso!!!

Folclore

Essa dança é do sudoeste da China, do conselho de Yunnan e Sichuan. Trata-se de uma nacionalidade minoritária, Li Su. Buliyate dança folclórica. Pés alternando passo Yuko, minério bruto e de dança criativa ainda, executar brilhante e vistoso, pular para o lado inferior do corpo passo ou outro componente de várias ações. Movimentos do corpo superior estão em pé, e as pessoas por trás do punho, as pessoas de mãos dadas, dançando ao redor do círculo. Adagio lírica dança suave, agilidade dança alegre, saltando e forte. Simples e sincero, com as cores antigas, sensação de calor forte. 'Circle' significa 'vida' em Li Su. Você pode até quebrar o círculo, mas você ainda continuará sendo parte desse círculo.

NÃO FIQUE CALADA - DENUNCIE - 180

A Central de Atendimento à Mulher - Ligue 180 é um serviço que foi implantado em 2005 pela SPM (Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres). Trata-se de uma central de atendimento telefônico que funciona ininterruptamente, inclusive finais de semana e feriados. A ligação é gratuita e pode ser feita a partir de qualquer local do país.

Cuidado com o que seu filho anda vendo...

Cuidado com o que seu filho anda vendo...
Quanto menos horas em frente a televisão - além de dar o exemplo - é mais tempo que poderá passar com o seu filho a praticar esportes, ler, ouvir música, conversar ou simplesmente brincar…Pense nisso!

Dançar

"Não se trata de esperar que a tempestade passe. Trata-se de aprender a dançar à chuva." Anonimo

Quem ama. Cuida!

"Não me interessa nenhuma religião cujos princípios não melhoram nem tomam em consideração as condições dos animais." (Abraham Lincoln)

MÃE TERRA – DEUSA MÃE

“Envenenar a Terra, é o mesmo que envenenar a Placenta, que está alimentando teu filho”.
Terra, Divina Mãe, que gera todos os seres e cria todas as coisas, cuja influência desperta, acalenta e adormece a natureza. Mãe que fornece a nutrição da vida e a protege com um abraço sustentador. Mãe amorosa que recebe o corpo do homem quando o seu espírito se afasta, chamada com razão a Grande Mãe, fonte de poder de deuses e mortais, indispensável para tudo o que nasce ou morre. Senhora, Mãe , Deusa eu A reverencio e invoco Seu sagrado nome para abençoar a minha vida, lhe agradeço pelas dádivas e por me receber no fim da minha jornada! Prece inglesa do século XII

PEDOFILIA: NÃO!

Pelo telefone disque 100 - DENUNCIE! "Pais e filhos, inconscientes dos perigos da rede são presas fáceis de pedófilos. Uma criança ingenuamente não identifica um adulto se passando por um amiguinho da mesma idade. Uma dica é: Retirar o computador do quarto da criança, colocar em local onde possa estar vigiando sempre. Olhe sempre o histórico de navegação antes de fechar o computador para saber os passos que seu filho deu dentro da web. Computador no quarto também é veículo para o tráfico da pornografia infantil." PENSE NISSO!!!

ESTRELAS DESAPARECIDAS

"AS ESTRELAS SÃO SUAS, SE VOCÊ TIVER A MENTE, AS MÃOS E O CORAÇÃO PARA ELAS" Ray Bradbury "Em certas ocasiões nossa própria luz quase se apaga e é reacendida pela faísca de alguma outra pessoa. Cada um de nós tem motivo para pensar com muita gratidão nos que acenderam a chama dentro de nós". Albert Schweitzer

Nossa Madre

QUE HAJA PAZ NA TERRA! QUE A PAZ COMECE EM MIM! "Para deixar um planeta melhor para nossos filhos, basta deixar filhos melhores para nosso planeta".

Eu Respeito o AMOR. E você?

"Quando eu estava no exército, me deram uma medalha por matar dois homens e me dispensaram por amar um" Leonard P. Matlovich

Voando

"Sem espaço entre eles, os dedos como minhas tranças de quinze anos. Eu, avó de minha mãe, voei ficando." Carpinejar

EU DANÇO...Porque...

Voar sempre cansa, por isso, caminho em passos de dança. É assim que meus sentidos se encontram em comunhão com o universo onde a natureza é meu lar, meu refúgio, pertenço a ela... Faço parte dela!
"Os antigos sábios consideravam que movimento é sinônimo de vida. Não se pode escrever sobre dança. É preciso dançar."Paulo Coelho
(◡ ‿ ◡) -Tecendo sonhos resgatamos memórias, nos movimentos entrelaçados reconstruimos vidas recontando histórias. Livres em nossa imaginação e livres no contar/viver nossas histórias, vamos trançando na memória, a nossa eternidade. O que propomos com nosso trabalho é um exercício de imortalidade. De alguma forma, continuamos a viver naqueles, cujos corpos reaprenderam a ver e sentir o mundo, através dos movimentos das Danças Circulares e da auto-descoberta.

Como a água contorno obstáculos, transbordo, me desdobro ou evaporo. Posso levar o tempo que precisar, mas sei exatamente, onde quero chegar. Sou Mulher que dança, tece e trança, e não tem medo de recomeçar. Se escrever errado, por favor, não me corrija. É minha alma falando...Ela é parte de minha inspiração. Ela também respira, (Clarice me ensinou). Diferente dela, para mim, escrever é um ato de amor... "Sou meus Pais, Sou meus Amigos, Sou as Experiências que vivi e Sou um pouco de Mim Mesmo" (provérbio Budista)

E assim Renascer

Trilhar as estradas que eu não trilhei Romper as portas trancadas por mim E assim minhas mãos saberão dos meus pés… E assim, renascer, E assim renascer. (Altay Veloso)